sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Em 2010, o melão preferiu...



Ø  TI TI TI
Disparada a melhor novela do ano. Maria Adelaide Amaral e equipe estão de parabéns por trazer ao horário das sete um novo fôlego que há tempos não se via. A autora optou por não escrever uma versão literal do megassucesso de 1985. Foi esperta ao mesclar algumas tramas de “Plumas e Paetês” e, com isso, acrescentar elementos de folhetim que faltava à versão oitentista de “Ti Ti Ti”. O resultado é uma trama altamente original, movimentada, divertida e cheia de personalidade, mas que mantém o clima das melhores novelas do Mestre Cassiano Gabus Mendes. “Ti Ti Ti” faz uma grande e comovente homenagem à teledramaturgia brasileira, ao citar e revisitar personagens, não só das tramas de Cassiano, como de outras novelas de sucesso como “Fera Radical” e “O clone”. A direção sempre solar e colorida de Jorge Fernando casa perfeitamente com o texto sempre esperto. Elenco, direção de arte, figurino, enfim, tudo em sintonia. O que mais surpreende em “Ti-Ti-Ti” é a novela está longe de ser escrita no piloto automático. Mostra fôlego para surpreender e divertir a cada capítulo, nos brindando com um humor popular e refinado ao mesmo tempo, já que as citações não se limitam apenas às novelas, mas também ao cinema e à cultura pop em geral, e quem não as absorve, se diverte do mesmo jeito. Ousadia na medida certa. Sem dúvida, o maior acerto do ano!

Ø  CLAUDIA RAIA


Como disse meu amigo Eduardo Vieira, Jackeline é o “Mario Fofoca” da novela. Um verdadeiro show a cada capítulo. Claudia Raia está perfeita, caricata no bom sentido, mas também extremamente humana. Jackeline pode parecer uma doida de pedra, mas também sofre, chora, se emociona como qualquer um de nós. Impossível não torcer por ela. La Raia, assim como no drama de “A favorita”, arrasa nessa novela também, com uma interpretação visceral, sem medo de cair no ridículo e no exagero. E o texto de Jackeline? Foram tantas tiradas geniais e a atriz consegue aproveitar cada uma delas. Sua fase como Irmã Desgosto, no melhor estilo “Maus hábitos” de Almodóvar, está simplesmente genial e hilariante. Dentre os tantos motivos para se assistir à novela, Claudia Raia, sem dúvida, é o maior deles. Disparada a melhor atriz do ano!


Ø  ANDRÉ ARTECHE

Quando assisti ao ótimo filme “Houve uma vez dois verões”, de Jorge Furtado, conheci a interpretação de André Arteche e percebi que se tratava de um ator diferente, de uma sensibilidade especial. Seus papéis na TV, por menores que fossem, foram confirmando minha impressão. Agora em “Ti Ti Ti”, na pele de Julinho, André está excelente, arrebatador e arrebatado pela ótima abordagem de Maria Adelaide Amaral sobre um relacionamento gay. O romance de Julinho e Osmar (Gustavo Leão) durou pouquíssimos capítulos, mas fez tanto sucesso que o casal é forte candidato a melhor do ano. Tudo ali funcionou: a química dos atores, o texto delicado, a canção-tema “True Colors”... E a trama continua viva até hoje. André continua fazendo uma ótima dobradinha com a sempre competente Giulia Gam. A relação maternal de Bruna com Julinho é comovente e muito bem urdida. André Arteche ganhou um excelente papel e está aproveitando da melhor maneira possível e já está a léguas do estereótipo gay bonzinho melhor amigo da mocinha. O melão aplaude de pé!


Ø  IRENE RAVACHE

A personagem “perua emergente” está longe de ser novidade nas novelas. Menos novidade ainda é o talento de Irene Ravache, que ainda consegue emprestar muito humor e trazer novos elementos ao tipo já manjado em nossa TV. Ravache sempre é garantia de excelente interpretação e oferece a mesma naturalidade, seja em tipos sofridos como a Dona Lola de “Éramos Seis”, ou como a tresloucada Clô de “Passione”. A atriz protagonizou as cenas mais hilárias da novela, como a do jantar oferecido a ela por Bete Gouveia (Fernanda Montenegro), no qual quase leva Dona Brígida (Cleyde Yáconis) à loucura com sua falta de etiqueta. Outro momento hilário foi quando, ao pedir churrasquinho de gato, solicitou ao entregador que não esquecesse a farofa. Sílvio de Abreu é um mestre do humor e Irene, habituadíssima ao texto do autor, faz misérias em cena. O melão elege La Ravache como o grande destaque de “Passione”.


Ø  A VIDA ALHEIA

Miguel Falabella se afastou um pouco do humor escrachado e da estética kitch de suas divertidíssimas novelas, mas manteve a ironia, o deboche e o sarcasmo nessa ótima série que critica o mundo das revistas de celebridades, dispostas a tudo para conseguir um furo, ignorando qualquer senso de ética e respeito. A comédia dramática de humor rascante proporcionou a atrizes como Claudia Jimenez e Marilia Pêra brilharem intensamente e deu a Daniele Winits a oportunidade de defender um papel diferente dos que costuma interpretar. Entre o elenco masculino, destaque total para Carlos Gregório. Uma pena que não tenha uma nova temporada, pois história e conteúdo pra isso não faltam. 

Ø  AS CARIOCAS


Já na abertura, dava pra notar que o seriado seria uma delícia. Um desfile de belas atrizes e uma história pra contar a cada semana referente a um bairro do Rio de Janeiro. Com jeito leve, gaiato, despretensioso e safadinho... mais Rio de Janeiro impossível. Mais uma ótima parceria de Euclides Marinho e Daniel Filho, que voltou à TV em grande estilo. E que delícia também assistirmos a um programa repleto de locações externas. Gostinho de nostalgia. Uma festa!

Ø  CLANDESTINOS – O SONHO COMEÇOU


Outro gol de placa este ano. Impossível não se envolver e não se comover com a luta de jovens aspirantes ao palcos e à fama em busca de um lugar ao sol. A feliz empreitada teatral de João Falcão ganhou uma ótima adaptação e revelou talentos promissores como Adelaide de Castro, Fabio Enriquez e Elisa Pinheiro. Texto sempre afiado, muito lirismo e muita emoção. Claro que o DVD é super aguardado, né?

Ø  RIBEIRÃO DO TEMPO


Marcílio Moraes não é um autor que se acomoda em uma determinada temática. Sua primeira novela na Record, “Essas Mulheres”, que bebia da literatura de José de Alencar, era um primor de tão boa. Depois, Marcílio deu um giro de 180 graus e levou a realidade dos morros cariocas de maneira nunca antes vista na Tv com “Vidas Opostas” e a série “A lei e o crime”. Agora, com “Ribeirão do Tempo”, Marcilio inaugura na Record aquele estilo político-regionalista, que lembra as antigas tramas de Dias Gomes e Aguinaldo Silva, e o faz com bastante acerto. Crítica social, irreverência, deboche e um texto sempre inspirado.


Ø  UMA ROSA COM AMOR



A novela, sem dúvida, representou um “upgrade” nas produções do SBT, que buscou um bom elenco que contou com nomes de peso como Betty Faria, Carla Marins e Jussara Freire. A singeleza do texto de Vicente Sesso, atualizado por Tiago Santiago, nos trouxe uma novela romântica, divertida, com um quê de nostálgica e muito gostosa de se assistir. Não emplacou os índices de audiência esperados pela emissora, mas provou que é possível fazer dramaturgia sem precisar recorrer o tempo todo aos melodramas mexicanos. Um bom começo.

Ø  CANAL VIVA


Viva! Mil vezes Viva! O sonho de todo telemaníaco começou a se concretizar com a criação do canal, que dedica grande parte de sua grade à reprises de antigos sucessos da teledramaturgia global. Quando veio “Por amor” e “Quatro por Quatro”, imaginamos grandes possibilidades, mas quando foi anunciado o retorno de “Vale Tudo” a festa foi total. E 2011 já promete com a volta da “Tv Pirata”. E ainda há as minisséries, os seriados... tudo o que podemos desejar é vida longuíssima ao Viva e força nos gravadores!


Ø  BOX ROQUE SANTEIRO

Outro presentão para os telemaníacos que abre inúmeras possibilidades. Para quem ainda não adquiriu, é imperdível. A saga do santo que não morreu, da viúva que foi sem nunca ter sido e do poderoso coronel que adora bancar o cachorrinho na intimidade são garantia de diversão e de excelentes atuações. O universo suigeneris criado por Dias Gomes, escrito por ele e por Aguinaldo Silva, ainda é atual ao denunciar a corrupção e as injustiças de uma metonímica Asa Branca e sua galeria de personagens inesquecíveis. Para muitos não houve novela como “Roque Santeiro”. Esperamos que seja apenas o primeiro lançamento de muitos outros.


__________________________________________

Claro que listas são sempre muito pessoais e muita coisa boa ficou de fora. Mas o melão quer saber: o que vocês preferiram em 2010?


O que eu preferi em 2009? Vamos relembrar? http://euprefiromelao.blogspot.com/2009/12/em-2009-eu-preferi.html

Enfim, queria dizer que 2010 foi, particularmente, um ano de muita batalha e, principalmente de muitas conquistas para o melão e para este blogueiro que vos fala. Só tenho a agradecer a todos por sempre prestigiarem o espaço e conto com vocês para 2011. Que seja diamante verdadeiro para todos nós. Até lá!

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Melão Express – Rapidinhas, mas saborosas – Ed 12



Ø PERSONAGENS DE “VALE TUDO” DÃO EXPEDIENTE NO TWITTER



Raquel Acioly, Maria de Fátima, Ivan, Tia Celina, Odete, Solange, Heleninha e muitos outros personagens, incluindo o mordomo Eugênio, atravessaram o 80’s e estão a um clique de nossas presenças. Uma atração a mais para quem revê “Vale Tudo” no Canal Viva é acompanhar em tempo real via Twitter os próprios personagens da novela comentando a trama e interagindo com o público. Os comentários são sempre impagáveis e ajudam a colocar a novela oitentista, definitivamente, no século XXI. O mais interessante é que as mentes brilhantes por trás dessas figuras seguem exatamente o estilo do próprio personagem. Impossível não imaginarmos o próprios à frente dos teclados. A Raquel, por exemplo, só posta em Caps Lock e a Solange fala “chérie” o tempo todo.
Vamos a uma lista de alguns dos melhores tweets postados por eles:

ü Trancado no meu quarto com André vendo O Quebra-Nozes pelo Ballet Kirov e aguardando Galalau-Noel. (@ThiagoRoitman, questionando sua própria sexualidade).

ü Amanhã tomo licorzinho com as bolachas. Tão repetitiva no natal. (@tiacellina, comentando a visita das amigas lésbicas Cecília e Laís).

ü To há uns dez capítulos chorando. Não aguento mais chérie! (@SolangeDuprat, reclamando de seu sofrimento excessivo na novela).

ü TO PASSADA, COMO ESSA HELENA E ESSE ATILIO PARECEM COMIGO E COM O IVAN, SERÁ QUE É NOSSO CLONE? (@raquel_valetudo, se referindo aos protagonistas de “Por amor”).

ü Ai gente, estava bêbada hoje, nem tuitei sobre minhas peripécias nada etílicas, em frente às câmeras, @EugenioRoitman não deixa vocês verem. (@Roitman_Helena, em momento sóbrio).

ü Essas vilãs de hoje em dia são verdadeiras carmelitas descalças perto de mimmmmmm. #valetudo (@OdeteARoitman, prolongando o “m” em momento de autoelogio).

Portanto, quem quiser assistir à novela e tuitar ao mesmo tempo, estes e outros personagens esperam pot você.

Ø PAPAI NOEL EXISTE
Foi uma grata surpresa o especial “Papai Noel Existe”, do núcleo Guel Arraes. Regina Casé e Rodrigo Santoro perfeitos em cena, com personagens construídos longe de estereótipos e bastante humanizados. É sempre um prazer ver a Regina atriz e Rodrigo esteve impecável, irreconhecível como um camelô do Saara. Até o tom de voz era outro. Belo e impressionante trabalho. E tudo foi emocionante na dose certa para a ocasião.

Ø MALHAÇÃO 2000


A temporada de “Malhação” que está reprisada no Canal Viva é uma das que mais gosto, senão a minha preferida. Gostei muito do texto e do triângulo amoroso formado pelas ótimas Ludimila Dayer e Fernanda Nobre com Fabio Azevedo. Por falar nele, alguém sabe por onde anda? A última vez que o vi na Tv foi no Telecurso Profissionalizante. Um bom ator que merece melhores oportunidades. Vamos torcer por um breve retorno.

Ø PÚBLICO DE “ARAGUAIA”
Minha tia Marilza é um de meus melhores termômetros para saber o que a senhorinhas andam curtindo na TV. Ela ama “Araguaia”.

ØØ A INTERATIVA INGRID E O SUCESSO DE “TAL FILHO TAL PAI”

     Parabéns, Ingrid Zavarezzi e toda a equipe de “Tal Filho tal Pai”, especial exibido agora há pouco na Globo. O programa soube, com esperteza, explorar os limites entre realidade e ficção na relação de Fiuk com o “pappy “Fabio Júnior. Ágil, dinâmico, divertido e emocionante na dose certa. E o ótimo texto de Ingrid, que tem grande habilidade em falar ao público jovem, sempre distante de estereótipos e com muito conteúdo e propriedade. O texto também soube explorar com maestria a emoção sempre latente de Fabio Júnior e lançou pérolas pra lá de reais como Fiuk reclamando de uma possível nova madrasta. Boas atuações, com destaque para Alessandra Negrini, e ótimos ganchos para uma provável temporada. E o programa liderou os TT’s mundiais do Twitter durante sua exibição. Isso porque Ingrid não deixou a peteca cair e twittou com o público o tempo todo. Golaço! Sucesso para vocês é o que deseja este melão! Link para a entrevista que Ingrid nos cedeu logo abaixo: http://euprefiromelao.blogspot.com/2010/12/melao-entrevista-talentosa-e-antenada.html

Ø  INTRODUÇÃO À TELEDRAMATURGIA
 André Bernardo, coautor do livro “A seguir cenas do próximo capítulo”, dará um curso de férias em Introdução à Teledramaturgia Brasileira na FACHA. Ao todo, serão 10 aulas, de segunda a sexta-feira, das 19h às 22h. Além de conhecimento teórico, o curso terá exercícios práticos de roteiro e análise de cenas de novelas, séries e minisséries, como "Roque Santeiro", "Anos Rebeldes" e "Armação Ilimitada", entre outras. Mais informações através do link: http://www.facha.edu.br/extensao_curso.php?ID=17
Ótima oportunidade!

Ø ADEUS, DONA LUPE!


      A nota mais triste desse fim de ano é a morte da querida Lupe Gigliotti, sempre uma presença adorável na telinha. A atriz, mais conhecida por seus trabalhos em programas de humor e papéis cômicos, também era uma atriz dramática das boas. Uma lembrança ainda muito viva em minha mente é de sua atuação na novela “Hipertensão” (1986), de Ivani Ribeiro, na qual vivia Odete, a sofrida mãe que clamava por justiça pelo assassinato da filha Luzia (Claudia Abreu) por Donana (Georgia Gomide). Vai deixar saudades, mas, sem dúvida, deixou sua marca e seu brilho por aqui.



Ø Queridos, obrigado pelo carinho no decorrer do ano. Feliz Natal a todos!

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Melão entrevista a talentosa e antenada Ingrid Zavarezzi.




A entrevistada de dezembro do melão é mais que especial. Além de excelente profissional, é uma das pessoas mais simpáticas e alto astral que conheço. Tive o privilégio de conviver melhor com ela este ano e conferir de perto seu talento pra lá de inspirador. Com uma sólida carreira em Publicidade, sempre antenada com as novidades tecnológicas e de olho no que rola no universo jovem, Ingrid Zavarezzi é um exemplo de que pode se unir boa dramaturgia e novas mídias. A série que escreveu, “Beijo me liga” fez grande sucesso e se tornou uma das campeãs de audiência do Multishow no ano passado. Mas Ingrid já tinha realizado ótimos trabalhos. Não por acaso, foi uma das roteiristas do “Você Decide”, programa precursor da interatividade na TV. Mais tarde, roteirizou as “histórias da noite” do “Altas Horas” e foi uma das colaboradoras de Margareth Boury em “Alta Estação”, novela teen da Record. Conheceu Fiuk enquanto escrevia “Malhação ID” e agora estreia, “Tal Filho tal pai”, um especial com o jovem astro e seu pai, Fábio Júnior, que tem tudo para ganhar uma temporada no ano que vem. Torcida é o que não falta. Além de falar sobre sua carreira, Ingrid ainda papeou sobre novelas, séries, classificação indicativa, enfim, uma delícia de papo. Espero que gostem!


      Como surgiu a ideia de escrever “Tal filho, tal pai”?
A ideia foi do Mario Márcio Bandarra, e ele me convidou pra escrever...  No início era uma história só com o Fiuk... aí fomos pensando numa participação do Fábio... começou num telefonema... aí essa participação foi aumentando, aumentando... quando a gente viu era bem “Tal filho tal pai”, rsrsrs... 



Como foi a receptividade do Fábio Júnior e do Fiuk com o projeto? Qual e o limite entre realidade e ficção?
Eles adoraram! Realidade e ficção flertam o tempo todo... vocês vão ter que assistir...

Há a possibilidade do especial virar série em 2011?
Poxa, isso é música para nossos ouvidos... foi um trabalho delicioso de fazer, com uma equipe fantástica, super unida... estamos todos torcendo por isso!

Você também escrevia os roteiros de “Histórias da Noite”, do “Altas horas”. Como se dava o processo de criação das histórias?
“Histórias da Noite” foi um trabalho bacanérrimo de fazer, e o Serginho Groisman participava ativamente de tudo. A gente fazia reuniões de criação, levantávamos os temas, ele escolhia e eu escrevia... a direção era do Ajax Camacho, e o formato foi um sucesso dentro do programa.

Como era a divisão de trabalho em “Alta Estação”, novela teen de Margareth Boury? O que você destacaria de positivo nessa experiência?

Sexteto protagonista de "Alta Estação"
Nossa, “Alta Estação” foi um trabalho que deixou muita saudade. Meu primeiro trabalho como colaboradora de novela...  Sou muito fã do trabalho da Margareth, o texto, a carpintaria de cena, a resolução das tramas, o ritmo! Margareth é uma super craque e uma autora de uma generosidade tremenda com seus colaboradores, tipo, ela ensinava tuuudo, explicava tuuudo, a gente se encontrava quase que todos os dias. O máximo trabalhar com ela, que hoje é uma grande amiga!


Mais uma vez inovando, você foi a roteirista de “Beijo me liga”, série jovem que fez muito sucesso no “Multishow”. Considera o trabalho um divisor de águas em sua carreira?
Com certeza! É um trabalho que adoro rever sempre!

Ingrid (segunda à esq.), o colaborador Rodrigo Ribeiro (primeiro à direita) e elenco de "Beijo me liga"

Além de escrever “Beijo me liga”, você interagia com o público ao criar perfis no Twitter para os personagens.  Esse tipo de interação interferiu diretamente na trama? Você mudou alguma história por conta disso?
É verdade. Sempre fui muito geek, rs... vivo pesquisando as redes sociais e o impacto crescente que elas vêm provocando, especialmente nos jovens, no mundo todo. Hoje não consigo pensar em um produto de dramaturgia jovem sem a transmídia fazendo parte. Porque é sensacional essa interação online personagem/público. Em “Beijo me Liga” as redes sociais complementavam a história que estava no ar, como se os personagens realmente existissem, com suas vidas particulares, deixando o público participar dos seus dramas pessoais – um conteúdo que não ia ao ar. Eles ficavam mesmo “amigos” das pessoas, pediam conselhos, tinham insônia, brigavam com os pais, com o namorado, enfrentavam o trânsito, a chuva, a lei seca, etc... (Sempre eu digitando por eles, é como se eu escrevesse uma novela online, ao vivo, de domingo a domingo!) E aí o público assistia ao programa pra depois poder conversar com o personagem online e comentar tudo o que tinha rolado. Percebi que o twitter estava me ajudando a empurrar a galera conectada pra frente da tv... e é exatamente essa experiência que trago agora para “Tal Filho Tal Pai”. O programa ainda não estreou, mas os personagens estão online, 24h, conversando com você, e vivendo toda uma trama que é anterior ao que vai acontecer com eles no especial.

Aqui, nossos 10 personagens pra você seguir:
@Fabiojr_TFTP
@Fiuk_TFTP
@Larissa_TFTP
@Careca_TFTP
@Alone_TFTP
@EduGoldman_TFTP
@Barbara_TFTP
@Bibiu_TFTP
@Mansur_TFTP
@Dre_TFTP

Por conta do sucesso de “Beijo me liga”, você foi convidada a ingressar no time de colaboradores de “Malhação ID”.  Que tal a experiência?
Foi excelente! Fui convidada pelo diretor, Mário Márcio Bandarra, que tinha gostado muito do “Beijo me Liga”. “Malhação ID” foi muito especial para mim. O elenco, a direção e a equipe dos sonhos de qualquer um!

Mario Márcio Bandarra, de branco ao centro, Ingrid, parte do elenco e equipe de "Tal filho tal pai"

Como você vê o futuro da teledramaturgia em tempos de TV digital e conteúdo transmídia? Como prender o espectador de hoje diante da TV?
É fato que tudo caminha para uma coisa só. Em 2010 o twitter ganhou 100 milhões de contas novas e o Facebook já é a mída social mais usada por empresas para a divulgação de eventos. A cada mês aparece uma nova estatística com números cada vez mais surpreendentes sobre coisas que vemos diariamente: nunca se vendeu tanto celular, nunca se acessou tanto a internet, Lan-houses vivem entupidas e depois das pet-shops são o negócio que mais abre e mais fatura hoje no Brasil... Os tablets já são uma febre entre os jovens, e isso vai num crescente incontrolável, os preços vão caindo, o poder aquisitivo das classes C, D e E vai crescendo... é uma galera ávida pra consumir novidades, e cada vez mais conectada! É preciso gerar conteúdo de qualidade, oferecer escolhas, possibilidades, produtos de entretenimento pra essa geração. É preciso estar com eles, entender a sua língua, os seus jargões, o seu comportamento, consumir o que eles consomem, vivenciar esse processo que é completamente irreversível.

A classificação indicativa atrapalha o trabalho para quem escreve para o público jovem?
Atrapalha sim. Engessa absurdamente. É um retrocesso, um “encaretamento” perigoso. Na web (ainda) somos mais livres...

Você também tem formação em Publicidade. O que a publicitária acrescenta no trabalho da roteirista?
Acrescenta muitooo. Primeiro porque adoro trabalhar em equipe. Direção e roteiro têm que andar juntos no processo de criação, gosto de ouvir a opinião de todos, gosto de assistir às gravações, de acompanhar a edição, sonorização, efeitos especiais... tudo! Segundo porque escrevo pensando no público. Na venda daquela idéia, daquele personagem, daquela mensagem. Como emocionar, como fazer rir, como impactar com uma reação de revolta, de tomada de consciência sobre um determinado problema? Antes de criar um produto, devoro pesquisas qualitativas, quantitativas, converso com os jovens, com os pais dos jovens, com as crianças, rs...  Estou sempre correndo atrás do meu consumidor, ricos, classe média, pobres, muito pobres...  converso, escuto, escuto muuito, na praia, no táxi, no supermercado, no salão, no metrô... tudo me interessa, desde uma rodinha de amigos no Fasano, no baixo, em Sampa, em Brasília, em Salvador, Natal, Porto Alegre... até um pé sujão em São Gonçalo... o que é modinha, o que deixou de ser modinha, o que eles estão falando, qual é a gíria da vez? Escrevo tudo o que eu escuto e acho que pode gerar um diálogo, uma discussão de idéias. Sou perguntadeira demais. Vivo online, twittando e estudando o que essa galera anda twittando, rs... Faço campanhas políticas e nessa, acabo frequentando muitos municípios imensos e carentes da periferia...  e aquela galera é super alegre, antenada, inteligente e cheia de opiniões e conflitos, estudam, trabalham, se divertem, azaram, namoram e consomem, consomem pra caramba e vivem conectados! Veja só o trabalho da @vozdacomunidade, eles existem há 5 anos, mas só agora com a invasão do Alemão é que ganharam notoriedade!

De onde vem essa sua facilidade em se comunicar com o público jovem?
Sei lá... sempre foi assim desde quando eu era um deles, rs... Sempre fui muito mãezona dos meus amigos! Depois quando virei mãe de verdade, a Barbara é filha única e pra ela não ficar sozinha, minha casa vivia entupida de crianças. Eu era a mamãe “Walt Disney” que levava aquela turma toda pra praia, pro parquinho, pra viajar... e a turminha foi crescendo, e aí eu fui virando a “Mãe Joana”, rs... confidente, a galera expondo suas crises sem pudores... e a minha casa agora vive entupida de jovens, e eu adoro essa convivência, eu acabo falando como eles, usando as mesmas gírias e “taus”... Minha filha está com 22 anos, é webdesigner, e nós duas chegamos num patamar em que a gente consome as mesmas coisas, gostamos dos mesmos filmes, livros, revistas, sites, adoramos as mesmas músicas, usamos as mesmas roupas, somos loucas pelos mesmos gadgets eletrônicos, rimos das mesmas besteiras que surgem no Youtube, postamos freneticamente nas redes sociais e ficamos o tempo todo nos “atualizando” do que rola, estamos sempre nos divertindo juntas!


 Você é noveleira? Se sim, que autores e novelas servem de inspiração para o seu trabalho?
Sou! Adoro novela desde pequena! Poxa, nós temos graaaandes autores, brilhantes! A história da teledramaturgia brasileira é muito rica, é a melhor do mundo!  Eu vejo trabalhos que eu penso, nossa, só morrendo e nascendo de novo pra escrever uma cena assim! O texto da Janete Clair era incrível! Dias Gomes! Não tenho um autor em especial que me inspira. Adoro o texto do Gilberto Braga, do Aguinaldo Silva, da Glória Perez. O João Emmanuel Carneiro... é incrível poder acompanhar de perto o trabalho deles!

Você assiste às series americanas? Quais suas favoritas?
Muuitas!! Não canso de assistir os novos clássicos, “Seinfeld”, “Friends”, “Sex and the City”... era Lostmaníaca total! Amo “Two and a Half Man”, “Dexter”, “24 horas”, “House”, “Gossip Girl”, “Modern Family”, “Skins”, “Glee”, sou apaixonada! “Big Bang Theory”, “The Big C”, “Californication”, “Supernatural”... e trocentas outras! Os caras sabem tudo e mais um pouco!

Querida, deixo livre para você falar o que quiser. O que faltou perguntar? Quais seus planos para 2011 e desde já desejo sucesso. Você, além de talentosa, tem um astral maravilhoso e uma imensa capacidade de trabalho em grupo. Sou seu fã! Tudo de bom!
Ha, sei lá... rs... meus planos pra 2011, que venha muito trabalho! Sou uma workaholic, amo apaixonadamente e me divirto o tempo todo com tudo o que eu faço! Se você perguntar pra minha filha quando foi que eu tirei férias, ela vai dizer... nunca! Porque mesmo quando “não estou fazendo nada”, estou envolvida em algum “projeto”, rs...
Estou felicíssima com “Tal Filho Tal Pai”, totalmente entregue a esse trabalho, e tenho certeza que todos vão se surpreender... dia 23/12, depois d’A Grande Família e online, agora, no twitter, entra aí! ;)

Beijo, Vitor, também sou sua fã e estou muito feliz com a sua conquista! Espero que a gente trabalhe juntos! ;) Obrigada pela oportunidade!

Um beijão, lindona! Eu também espero! Beijo me twitta....rs!
_______________________________________________

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Temas e Trilhas: Rita Lee





Maior nome feminino do nosso rock e também uma de nossas melhores compositoras, Rita Lee participou algumas vezes de novelas. Lembro de duas aparições marcantes, pra lá de divertidas e com toda a irreverência que lhe é peculiar: uma como a extraterrestre Belatrix, ex-mulher de Gaspar (Nuno Leal Maia), mãe de Ringo Starr e Jane Fonda (Henrique Farias e Carol Machado) em “Top Model”; a outra em “Vamp”, como a roqueira vampira Lita Ree. Rita é noveleira inveterada. Quem a segue no Twitter, sabe que ela acompanha “Passione” com entusiasmo.

Mas vamos falar aqui da presença mais constante de Rita na telinha: cantando temas de novelas e séries. Gal foi a primeira homenageada. Agora vamos relembrar alguns temas de novela da maravilhosa Rita Lee. As canções da roqueira batem ponto, sobretudo, em temas de aberturas de novelas como “Zazá”, “Chega mais”, “Sassaricando”, “Lua cheia de amor” e muitas outras. Célebres canções ficaram de fora como “Esse tal de Rock Enrow” e “Só de você”, por exemplo. Convenhamos: é uma missão dificílima escolher apenas 10, já que são muitas e muitas. Por isso, já na número 10, contei com a luxuosa colaboração de meu amigo José Marques Neto, criador do MOFO TV. Segue a lista:

10) EU E MEU GATO (Rita Lee) – novela “O PULO DO GATO” (1978)

Escolhi essa música porque costuma não ser lembrada em listas. 
Lembro da abertura dessa novela das dez, que mostrava um gatinho pulando como num holograma.
Em 1978 comprei o LP 'Babilônia' da Rita em vez da trilha da novela, e assim mesmo economizando o dinheirinho que meu pai me dava pro lanche no colégio. (José Marques Neto)

9) O GOSTO DO AZEDO (Beto Lee) – novela “PECADO CAPITAL” (1998)

Composta pelo filhão Beto e incluída no show “Acústico MTV”. Um belíssimo arranjo que traduz toda a tensão da letra que fala de medo, pavor pelo HIV. Na novela era tema da rebelde Vilminha (Paloma Duarte) e sua turma barra pesada. Casou-se perfeitamente com a trama, embora a temática não combinasse tanto assim.

8) ERVA VENENOSA (Rossini Pinto) – novelas “UM ANJO CAIU DO CÉU” (2001), "COBRAS E LAGARTOS" (2006) e “ESCRITO NAS ESTRELAS (2010)

Famosa nos anos 80, esta divertida canção ganhou uma repaginada de Rita no início dos anos 2000 e parece combinar com vilãs cômicas, já que serviu a esse propósito duas vezes: a primeira vez foi tema da divertida Laila (Christiane Torloni) em “Um anjo caiu do céu”; depois foi tema da malévola Leona (Carolina Dieckmann) em "Cobras e Lagartos" e esse ano embalou as armações das divertidíssimas peruas Sofia (Zezé Polessa) e Beatriz (Debora Falabella) na novela “Escrito nas estrelas”. O que é bom merece bis. Então tá!

7) TI-Ti-TI (Roberto de Carvalho/Rita Lee) – novela “TI-TI-TI” (2010)

Antes mesmo de ser tema de abertura da primeira versão da novela cantada pela banda Metrô em 1985, Rita já tinha gravado uma versão bem rock, diferente da versão New Wave da efêmera banda liderada por Virginie. Nessa versão atual, Rita imprime uma levada mais pop, divertida, menos elétrica do que a de 85, mas que também combina perfeitamente com o duelo de tesouras, agulhas e objetos de costura dos estilistas rivais. É daquelas canções-chiclete, que grudam e não saem nunca mais de nosso cérebro.

6) COISAS DA VIDA (Rita Lee) – novela “O CASARÃO” (1976)

Confesso que não faço nenhuma relação da música com a novela, já que nem era nascido na época. Mas não poderia deixar essa canção de fora: é a minha favorita da cantora, com a qual mais me identifico. Essa relação com o tempo, com as incertezas, caminhos, sonhos, enfim, uma letra que foge da habitual irreverência de Rita e que me emociona sempre que ouço. Gostaria de poder assistir a alguma cena da novela em que tenha a música.


5) VÍTIMA (Rita Lee / Roberto de Carvalho) – novela “A PRÓXIMA VÍTIMA” (1995)

Impossível lembrar do excelente thriller folhetinesco-policial criado por Silvio de Abreu sem que essa canção não nos venha imediatamente à cabeça seguida de um tiro com uma vidraça quebrando. A abertura, uma das minhas favoritas, mostrava o elenco da novela misturado a pessoas comuns andando por diversos pontos da cidade de São Paulo na mira de um atirador misterioso, que vai matando um a um. O arranjo é ótimo, meio misterioso, meio debochado e Rita impagável como sempre.

4) PEGA RAPAZ (Rita Lee - Roberto de Carvalho) – novela “BREGA E CHIQUE” (1987)

A novela de Cassiano Gabus Mendes foi o grande sucesso daquele ano e causou furor e polêmica, desde a abertura até as impagáveis interpretações de Marília Pêra e Marco Nanini. Essa deliciosa canção, que rendeu à cantora muitas idas a vários programas de auditório, era tema da brega Rosemere (Glória Menezes) e do bronco mecânico Baltazar (Denis Carvalho). O irresistível verso “de frente, de trás / eu te amo cada vez mais” é maravilhoso e a música ótima para se cantar e dançar em voz alta na companhia dos amigos. Anos 80 total. Uma delícia.
  
3) AMOR E SEXO (Rita Lee / Roberto de Carvalho / Arnaldo Jabor) – novela “CELEBRIDADE” (2003)

O instigante texto de Arnaldo Jabor inspirou uma deliciosa canção interpretada por Rita. Na novela de Gilberto Braga, era tema da espevitada Darlene (Deborah Secco), alpinista social engraçadíssima obcecada pela fama, que vivia às turras com o bombeiro Vladimir (Marcelo Faria). As cenas dos dois eram pra lá de sensuais e a canção de Rita e Roberto embalava perfeitamente esse romance.  

2) MANIA DE VOCÊ - (Roberto de Carvalho / Rita Lee) – série “MALU MULHER” (1979)  e minissérie “QUERIDOS AMIGOS (2008)

Um verdadeiro clássico que dispensa comentários. Presente na trilha da mítica “Malu Mulher”, composta apenas por interpretações femininas, foi defendida por Rita no especial “Mulher 80”, que apresentou as canções da série. Recentemente, também esteve na trilha da saudosista minissérie “Queridos amigos” e embalava a lembrança dos personagens e era tema de Lorena (Fernanda Machado).  Sucesso avassalador que não precisou fazer parte das trilhas para ser o grande “blockbuster” que é, mas vale o registro. 

1)      1) FLAGRA (Roberto De Carvalho - Rita Lee) – novela “FINAL FELIZ” (1982/83)

De longe, a mais deliciosa junção da genialidade de Rita com o universo teledramatúrgico. Mesmo quem não assistiu à novela, se rende à maravilhosa abertura, uma das melhores de todos os tempos, em que as cenas de beijos mais famosas do cinema são projetadas em uma telão e quando acendem-se as luzes... supresa... todos aqueles ícones de Hollywood mostrados nas cenas estão mandando ver no escurinho do cinema. Ideia simples, execução perfeita e interpretação brilhante e antológica de Madame Lee, que arriscou trocadilhos como “Se a Débora quer que o Gregory peque”. Deleite total! Vale a pena rever a abertura:

video


No blog de Norma Lima, há a lista completa de canções de Rita em novelas:
http://ritalee.blog.terra.com.br/2010/04/23/rita-lee-e-a-cantora-que-mais-gravou-aberturas-de-novela-alem-de-ter-tido-inumeras-composicoes-como-trilhas-sonoras/ 


__________________________________________________________
E vocês, meus queridos? Quais são seus temas de novelas favoritos na voz de Rita Lee? Compartilhem suas lembranças! 

Prefira também: